Cerca de 70% das crianças e adolescentes envolvidos com bullying (violência física ou psicológica ocorrida repetidas vezes) nas escolas sofrem algum tipo de castigo corporal em casa. É o que mostra pesquisa feita com 239 alunos de ensino fundamental em São Carlos (SP) e divulgada hoje (30) pela pesquisadora Lúcia Cavalcanti Williams, da Universidade Federal de São Carlos.

Segundo ela, meninos vítimas de violência severa em casa têm oito vezes mais chances de se tornar vítimas ou autores de bullying. “O castigo corporal é o método disciplinar mais antigo do planeta. Mas não torna as crianças obedientes a curto prazo, não promove a cooperação a longo prazo ou a internalização de valores morais, nem reduz a agressão ou o comportamento antissocial”, explicou.

Acesse

http://noticias.uol.com.br/educacao/2011/08/30/cerca-de-70-das-criancas-envolvidas-com-bullying-sofrem-castigo-corporal-mostra-pesquisa.jhtm

 

Anúncios

Vereador Raul Cassel (PMDB), autor do projeto que dispõe sobre medidas de conscientização, prevenção e combate ao bullying escolar, comemora a promulgação da lei por parte do presidente da Câmara hamburguense, Jesus Martins (PTB), na semana passada. O motivo do festejo é o fato de a matéria, aprovada pelos parlamentares ainda no ano passado, ter sido sancionada, uma vez que o veto do prefeito Tarcísio Zimmermann (PT) ocorreu fora de prazo.

http://www.vejatv.com/video-13455.Lei-do-bullying–promulgada-em-Novo-Hamburgo.html

Terça-feira, 02/02/2010

A psicanalista Luli Milman fala sobre os efeitos psicológicos do bullying, uma forma de intimidação que afeta o comportamento de crianças e adolescentes, que costuma ser comum entre colegas de escola.

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1202902-7823-BOM+DIA+RESPONDE+COMO+SE+DEFENDER+DO+BULLYING,00.html

 

Sexta-feira, 25/06/2010

APRESENTAÇÃO DO PROJETO COMECE – CONSELHO MEDIADOR DE CONFLITOS NAS ESCOLAS .UMA PROPOSTA PARA PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL NÃO APENAS NAS QUESTÕES DE VIOLENCIA, MAS EM TODAS QUE ENVOLVAM O BEM …

http://video.globo.com/Videos/Player/Entretenimento/0,,GIM1295068-7822-CONSELHO+MEDIADOR+DE+CONFLITO+NAS+ESCOLAS,00.html

Assista essa discussão e comente>

Bullying

Bullying e o mal que causa

Publicado: setembro 30, 2009 em Bullying & Violência

 Assista o depoimento de Danile Vuoto

Faça uma reflexão.

E se fosse você?

http://www.youtube.com/watch?v=NLp0z9ZtjWk

Alunos vivem cotidiano de selvageria nas escolas de São Paulo.

Assistam essa reportagem e após uma reflexão, dê o seu depoimento.

O que você pode fazer para mudar esse quadro?

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1067165-7823-

RERPORTAGEM DO BOM DIA BRASIL 25/06/2009

Abuso sexual e bullying

Publicado: março 4, 2009 em Bullying & Violência

O Estado de S.Paulo

ONG denuncia abuso sexual no ambiente escolar
Clarissa Thomé

Todos os dias, um milhão de crianças sofrem algum tipo de violência nas escolas, em todo o mundo. O levantamento, feito pela organização não-governamental Plan com base em estudos em 66 países, entre os quais o Brasil, motivou a entidade a lançar a campanha Aprender Sem Medo. A intenção é erradicar das escolas violência sexual, castigos físicos e bullying – agressões entre alunos. No País, a ONG vai trabalhar em escolas do Maranhão e Pernambuco.

No Brasil, a ênfase da campanha será a violência entre alunos, conhecida como bullying. “Queremos criar uma cultura de paz, para que as crianças possam discutir o tema de forma lúdica.” Durante a campanha, que depende de parcerias entre a instituição e as secretarias de Educação, a Plan fará um levantamento sobre a violência nas escolas brasileiras.

Leia

http://www.unesp.br/aci/clipping/011208i.php

 

Noemi Alcaraz

Sociedade mais humana

Publicado: agosto 22, 2008 em Bullying & Prevenção

Ainda de maneira incipiente, mas cada vez mais, o bullying tem chamado a atenção de todos aqueles que trabalham com educação. Vivemos em uma cultura capitalista que é intolerante às diferenças e muitos pais reproduzem para seus filhos, nas mais diversas situações, seus conceitos sobre padrão de normalidade, etnias, orientação sexual, papel da mulher e do homem na sociedade, etc. Meninos aprendem desde cedo que devem ser fortes, valentes e “não levar desaforo para casa”. Nem todos conseguem e sabem que, se chegarem em casa e simplesmente chorarem por uma ofensa ocorrida da escola, sofrerão duplamente, pois serão duramente repreendidos pelos pais.

Nossa cultura incentiva as competições: os pais querem ver seus filhos no alto do pódio e quase não há lugar para simples diversão; as escolas promovem campeonatos esportivos; escolas de balé expõem crianças em programas de televisão… Em casa, expressões de amor são substituídas por presentes materiais: “Se passar de ano, ganha um videogame!”. O que conta é a competição, a avaliação e, finalmente, o prêmio ou a punição. Pode-se argumentar que vivemos nessa sociedade e que precisamos preparar as crianças para esse mundo extremamente competitivo. Por certo, mas o que se verifica hoje é um exagero nessas práticas que tem levado cada vez mais crianças a serem diagnosticadas com estresse, déficit de atenção ou hiperatividade. Caberá aos professores pôr um pouco de “ordem na casa”, mas não será uma tarefa fácil. Nas situações em que ocorre o bullying, todos são afetados. Os praticantes considerarão a violência como um instrumento poderoso para conseguir seus objetivos. As vítimas se tornarão introspectivas, tímidas, sem coragem para enfrentar os desafios da vida, afastando-se do convívio com o grupo ou simplesmente partindo para a agressão aos colegas. Os espectadores aprenderão que é melhor não tomar partido, por medo de “sobrar” para eles. Todos terão aprendido uma péssima lição sobre cidadania. Saberão que o melhor é concentrar-se em si mesmo, que os fins justificam os meios, que compartilhar não é atraente. Desenvolverão pouco interesse na ausência de recompensas (“vale nota?”), o “eu” só se firmará pelo status, pelos ganhos materiais e os outros serão vistos como competidores. Nada de solidariedade, os outros serão oponentes. É fundamental que as escolas tenham projetos de combate ao bullying, que envolvam a comunidade escolar e todos aqueles que, de alguma maneira, podem ter um olhar diferenciado sobre a realidade. Não se trata de estabelecer um código de vigilância exacerbado.Trata-se de contribuir para a construção de uma sociedade mais humana, em que todos tenham o direito de ser diferente.

 

Texto do Geógrafo e Doutor em Ciências da Religião, é coordenador de curso e professor da UNICAPITAL.

 Noemi Alcaraz

Agressão a professor

Publicado: fevereiro 14, 2008 em Bullying & Violência

Estudante do Ensino Fundamental agrediu a professora após xingá-la dentro da sala.
Com olhos e mãos machucados, a vítima se diz chocada com a atitude do garoto.

Do G1, em São Paulo, com informações do Bom Dia São Paulo

Um aluno de 15 anos será transferido de uma escola de Suzano, na Grande São Paulo, por ter agredido a professora quando ela saía da sala de aula.
Segundo a professora, o estudante, da 8ª série do Ensino Fundamental, começou a xingá-la durante uma atividade. Ela pediu para que ele se retirasse da sala. O garoto ficou no corredor, esperou o horário de troca de aulas e, na saída da educadora, agrediu-a no rosto e na cabeça. Ela também teve os olhos e as mãos machucados.

Leia a reportagem…

http://www.crmariocovas.sp.gov.br/noticia.php?it=9432

Keilla e Noemi